A destruição do Núcleo de Terras e Habitãção da Defensoria do Rio

Fonte: hert…@hotmail.com

 As comunidades, que sofrem a ameaça de remoção, as que estão sendo indenizadas ou removidas para as casas em Cosmos, Paciência, nos confins da cidade, as que foram despejadas e estão no aluguel social, estão vendo ser reduzidos o seu direito de defesa, pois o atual Defensor Geral trabalha para desorganizar o Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Rio de Janeiro(NUT), única instituição estatal que se dedica a defender e a buscar minorar os impactos da perda da moradia promovida pela prefeitura em razão da construção de vias e outras obras que prepararão a cidade para os lucros da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Continuar lendo

Transmissão do Ato dia 25 de março, sexta-feira

Ato pelo Direito à Cidade, pela Democracia e Justiça Urbanas online!

Para escutar a transmissão clique aqui ou abra este link(http://pontaodaeco.org:8000/aovivo.ogg) no VLC media player.

Para instalar o VLC, Veja aqui um tutorial de instalação e uso.

Iniciaremos a transmissão às 16h, direto da Candelária.

Esporte sim! Moradia popular também! Não às remoções!

Pau e Circo: Copa, Olimpíadas, Movimentos Sociais e Cidade de Exceção

Guilherme Marques “Soninho” (doutorando do IPPUR/UFRJ)

Megaeventos como a Copa do Mundo de Futebol e os Jogos Olímpicos estão associados, hoje em dia, à execução de grandes projetos de intervenção urbana. A organização desses grandes eventos passa a fazer parte de um tipo de modelo de planejamento urbano, o “empresariamento urbano”. Intervenções pontuais, capazes de estimular uma renovação urbana e o aburguesamento em diferentes áreas de cidade, são parte fundamental da estratégia do empresariamento urbano. Essas áreas da cidade, valorizadas por obras de infra-estrutura e pela proximidade de equipamentos esportivos, para atrair investimentos e novos negócios, tornam-se palco de despejos e remoções dos moradores pobres, de rua e de habitações irregulares, da repressão aos trabalhadores de rua, ambulantes etc. A cidade também precisa ser livre de conflitos e, para tanto, a repressão policial objetiva intimidar e impedir as manifestações dos críticos e atingidos pelas mudanças. Continuar lendo

Momento da Verdade: Ouro ou Shopping Center?

Texto de Alessandro Zelesco -Engenheiro, remador máster e dirigente esportivo

Fonte: ett@ippur.ufrj.br

Entendemos que a escolha do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Olimpícos de 2016 obriga o poder público a olhar responsavelmente para o esporte, em respeito à vontade coletiva do povo brasileiro para a conquista de medalhas. Chegou o momento de unir esforços para ajudar as federações esportivas na imensa tarefa de formar e capacitar atletas para disputarem o pódio em competições de nível internacional. A meta é plenamente atingível, se houver sinceridade de propósito e anos de trabalho sério. O quadro atual, no entanto, é desolador. Continuar lendo

Hora de repensar a resistência

Artigo do geográfo Jorge Borges

fonte: http://eliomarcoelho.wordpress.com/2011/02/28/hora-de-repensar-a-resistencia/

“Na última sexta-feira, funcionários da prefeitura conseguiram chegar ao último foco de resistência dentro da Vila Harmonia. Entraram no terreno da Dona Sueli, onde moram cerca de 10 famílias – todas descendentes diretas de sua avó, que já reside na região há muitas e muitas décadas. Trata-se de uma grande vitória sobre a resistência popular. Por que esse fato é tão simbólico e significativo? Continuar lendo

Relatório sobre megaeventos esportivos e direito à moradia ganha tradução para o português

Fonte: Blog da Raquel Rolnik
No fim do ano passado, a Revista Proposta da ONG FASE traduziu e publicou relatório sobre megaeventos esportivos e direito à moradia. A pesquisa faz parte do trabalho da Relatoria Especial da ONU para o Direito à Moradia Adequada e foi apresentada ao Conselho de Direitos Humanos em março de 2010.
 

Moradores de Madureira fazem protesto contra remoções por causa da Transcarioca

Mais um dos grandes projetos urbanos previsto para a realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Rio de Janeiro vai remover moradores de comunidades de baixa renda de suas moradias. Esse é o caso da favela Largo do Campinho, em Madureira, zona norte do Rio, que está no traçado da Transcarioca, via que vai ligar a Barra da Tijuca ao aeroporto internacional Tom Jobim. As obras, que estão avaliadas R$ 1,3 bilhão custeado pelo Governo Federal, começam neste mês e devem ser entregues pela prefeitura antes da Copa de 2014.

A secretaria municipal de Obras informou que os 39 quilômetros de extensão vão reduzir em mais de 60% o tempo gasto no trajeto, que terá ao todo 45 estações do BRT, ônibus que circulará em faixa exclusiva. No Largo do Campinho, que fica em movimentado entroncamento das avenidas Intendente Magalhães e Cândido Benício e as ruas Ernani Cardoso e Domingos Lopes, será construído um mergulhão para o corredor expresso.

Cerca de 50 moradores fizeram um protesto na última quarta-feira (02/02) nas ruas em frente à comunidade, com faixas e cartazes afirmando que estão sendo removidos arbitrariamente de seus imóveis. Além da comunidade do Campinho existem também no local as do Fubá e Divino, cujo complexo fica atrás de dez prédios que o prefeito Eduardo Paes resolveu destombar para realizar o projeto. Os imóveis fazem parte do entorno do Forte Nossa Senhora da Glória do Campinho, uma das primeiras fortificações construída no século XIX para proteger a antiga Estrada Real de Santa Cruz.

veja mais em: http://www.fazendomedia.com/moradores-de-madureira-fazem-protesto-contra-remocoes-por-causa-da-transcarioca/