Mentiras que continuam sendo repetidas sobre o Maracanã, no momento em que se fecha mais um equipamento esportivo, o Parque Aquático Júlio Delamare

Não é verdade que os equipamentos esportivos, sociais e culturais do entorno do Maracanã estão sendo destruídos para a Copa do Mundo, como vem sendo repetido insistentemente. Há pelo menos dois projetos oficiais de reforma do Maracanã já divulgados – um pela Odebrecht, contratada pelo governo do Estado para reformar o estádio; e outro pela Prefeitura do Rio, responsável pelas obras do entorno – que preservam o Parque Aquático Júlio Delamare (imagem). As demolições aparecem como uma demanda da empresa de Eike Batista, a IMX, quando é divulgada a intenção de se privatizar o estádio. Não podemos aceitar e naturalizar as demolições de espaços públicos que servem à população para repassar a empresas privadas!

No fim da reportagem que o Sportv divulgou há dois dias (veja acima) o governo do Estado diz não saber se o parque aquático vai virar um estacionamento, essa seria uma decisão da concessionária! Prejudicar milhares de pessoas entre atletas, idosos, deficientes físicos e crianças e nem ao menos saber porque É INACEITÁVEL! Não se trata de esporte olímpico x futebol, Olimpíadas x Copa do Mundo, como querem dar a entender. Trata-se de esporte brasileiro x ganância privada! Não deixaremos! Amanhã (1/4), às 8h, usuários do Julio Delamare farão um ato público na porta do parque aquático. E no dia 11/4, no Largo do Machado, todos preparados para um grande ato de rua contra a privatização do Maracanã! Mais informações em breve!

O MARACA É NOSSO!

A CIDADE É NOSSA! Veja as imagens do ato no Maracanã

Cerca de 500 pessoas se reuniram vamos na Praça Saens Peña, na Tijuca, no último sábado (16), e caminharam até o Maracanã. O ato ato A CIDADE É NOSSA! teve o objetivo de denunciar o processo de privatização de diversos espaços públicos da cidade, como a Marina da Glória e o Maracanã. No entorno do estádio, está prevista a destruição da Escola Friedenreich, da Aldeia Maracanã, do Estádio de Atletismo Célio de Barros e do Parque Aquático Julio Delamare para a construção de lojas, bares e estacionamentos para servir a um shopping gerido pela empresa ganhadora da licitação. O ato lançou também o álbum de figurinhas da campanha O MARACA É NOSSO! Conheça aqui: www.omaracaenosso.org.br/.

VÍDEO: O drama de Ravel, jovem esperança olímpica que sofre com a remoção forçada de sua família

Vídeo

Um paradoxo olímpico. Assim pode se definir o atual momento de Ravel Mendonça, 17 anos, atleta da seleção brasileira sub-19 de vôlei de praia. Ao mesmo tempo em que é esperança e sonha com uma vaga olímpica em 2016, vê desesperança e pesadelo com as obras que viabilizarão a realização dos Jogos na cidade onde mora, no Rio de Janeiro. A casa onde morava foi desapropriada e demolida no último sábado para construção da Transcarioca. Entenda na reportagem de Thales Machado!

Fonte: http://espn.estadao.com.br/video/316184_o-drama-de-ravel-jovem-esperanca-olimpica-do-volei-de-praia-que-sofre-com-as-obras-para-o-evento-de-2016

Entidades profissionais avaliarão Plano Popular da Vila Autódromo e proposta de remoção da Prefeitura para o condomínio Parque Carioca

O primeiro encontro do grupo acontece nesta segunda-feira (11) na sede do IAB-RJ

Em agosto de 2012, a Associação de Moradores, Pescadores e Amigos da Vila Autódromo (AMPAVA) entregou ao prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, o Plano Popular da Vila Autódromo. O documento, elaborado pela comunidade com assessoria técnica de profissionais da UFRJ e UFF, comprova que a urbanização custaria apenas 20% do previsto com a remoção da comunidade, preservando os vínculos sociais construídos no local há décadas sem prejudicar a realização dos Jogos Olímpicos. O prefeito se comprometeu a responder aos moradores com uma avaliação técnica do Plano em 45 dias, mas isso nunca aconteceu.

Imagem de área de lazer prevista no Plano Popular da Vila Autódromo

Imagem de área de lazer prevista no Plano Popular da Vila Autódromo

A AMPAVA então tomou a iniciativa de convidar entidades profissionais para avaliar as duas propostas para a comunidade: o Plano Popular e a proposta da Prefeitura de remoção dos moradores para o condomínio Parque Carioca. O grupo vai se reunir nesta segunda-feira (11), às 18h30, na sede do IAB-RJ (veja serviço abaixo e programação em anexo). Já confirmaram presença representantes de arquitetos e urbanistas (IAB, CAU, SARJ), planejadores urbanos (ANPUR), engenheiros (SENGE, CREA, Clube de Engenharia), cientistas sociais (ANPOCS), antropólogos (ABA), assistentes sociais (CRSS) e geógrafos (AGB).

Faça o download do Plano Popular da Vila Autódromo
Faça o download do quadro comparativo entre as propostas do Plano Popular da Vila Autódromo e da Prefeitura do Rio

A apresentação será aberta ao público e corresponde ao marco inicial para instalação de um Grupo de Trabalho Técnico-Profissional de especialistas em questões relativas ao desenvolvimento urbano, desenvolvimento social e à moradia. A meta é elaborar um laudo técnico sobre as propostas da Prefeitura e da AMPAVA para a comunidade. O Grupo de Trabalho avaliará qual o projeto mais indicado e recomendará a adoção de medidas adequadas que compatibilizem a realização dos Jogos Olímpicos com o respeito ao direito constitucional à moradia adequada, assim como à função social da propriedade e da cidade.

O Plano Popular da Vila Autódromo contou com assessoria técnica dos pesquisadores do NEPLAC/ETTERN/IPPUR/UFRJ (Núcleo Experimental de Planejamento Conflitual do Laboratório Estado, Trabalho, Território e Natureza do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e do NEPHU/UFF (Núcleo de Estudos e Projetos Habitacionais e Urbanos da Universidade Federal Fluminense).

Serviço

Dia e Horário: 11 de março de 2013, às 18h30
Local: Auditório da sede do IAB-RJ
Endereço: Rua do Pinheiro, 10, Flamengo, Rio (esquina com Rua 2 de dezembro)

Saiba mais: Vila Autódromo apresenta projeto inédito de urbanização e exige permanência como legado Olímpico de 2016

Mais uma escola na mira dos tratores da Prefeitura, agora no caminho da Transolímpica

curicica-escola
A Escola Silveira Sampaio, em Curicica, é uma das poucas que oferece atividades esportivas e culturais para a comunidade local, como futebol de salão, handball, tênis de mesa, ginástica, atletismo e levantamento de peso. Professores, pais e alunos estão revoltados com a ameaça de demolição. Clique na imagem abaixo e leia a matéria do jornal Abaixo Assinado de Jacarepaguá:

curicica-escola2

A CIDADE É NOSSA! Ato contra a privatização do Rio de Janeiro. Sábado, 16 de março, às 10h

No banco imobiliário do Rio, a próxima casa que você pode perder é o Maracanã! E depois?

A CIDADE É NOSSA! Ato contra a privatização do Rio de Janeiro

Dia 16 de março, sábado
Caminhada da Tijuca ao Maracanã
Concentração: a partir de 10h – Praça Saens Peña

________________________________________________

Em nome da Copa e das Olimpíadas, o governo do estado e a prefeitura estão vendendo a nossa cidade. Saúde, Educação, Cultura, Moradia, Meio Ambiente, Transporte e outros direitos estão sendo reduzidos a negócios lucrativos para grupos de empresários amigos.

O sucateamento dos serviços públicos, a venda de nosso patrimônio, o fechamento de escolas, hospitais e teatros, as remoções forçadas e o desrespeito a comunidades pobres, o aumento das passagens, o recolhimento compulsório e indiscriminado de moradores de rua, a degradação de áreas de proteção ambiental, a relação suspeita entre governantes e empresários… E agora a venda absurda do Maracanã! Não dá pra ficar calado!

No próximo dia 16, sábado, vamos nos reunir a partir de 10h na Praça Saens Peña, na Tijuca, e caminhar até o Maracanã, exemplo maior da entrega de nosso patrimônio aos amigos do poder.

O governo já anunciou que quer doar o Maraca e até anunciou a data: dia 11 de abril. É um dos maiores roubos da história! Depois de gastar nosso dinheiro no estádio, querem entregá-lo a algum empresário que vai destruir a Escola Friedenreich, a Aldeia Maracanã, o Estádio de Atletismo Célio de Barros e o Parque Aquático Julio Delamare para construir lojas, bares e estacionamentos. A ideia é transformar um de nossos principais símbolos em mais um shopping.

Recursos públicos investidos no Maracanã

DESDE 1999: R$ 1,5 BILHÃO – R$ 110 milhões por ano – R$ 9 milhões por mês – R$ 290 mil por dia

DESDE 2010: R$ 932 MILHÕES – R$ 372 milhões por ano – R$ 31 milhões por mês – R$ 1 milhão por dia

Previsão de retorno no projeto de privatização

DE 2013 A 2048: R$ 153 milhões – R$ 4,5 milhões por ano – R$ 375 mil por mês – R$ 12 mil por dia

Ao final de 35 anos, será pago somente cerca de 10% de todo o dinheiro público gasto desde 1999, ou cerca de 15% do que foi gasto desde 2010, o que não paga nem os juros dos financiamentos. A conta, definitivamente, não fecha.

PARTICIPE! CONVOQUE AMIGOS, COLEGAS, FAMILIARES!
VAMOS PRA RUA QUE A CIDADE É NOSSA!

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/165554883596737/

Comitês Populares da Copa e Olimpíadas no Conselho de Direitos Humanos da ONU

Vídeo

“Esperamos que a comunidade internacional se mobilize e que o Brasil responda aos questionamentos da Relatoria especial para o Direito à Moradia, tomando medidas efetivas para que nenhuma família tenha que sofrer com a ameaça das remoções forçadas”, disse Giselle Tanaka, representante da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa, após a fala no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Remoções forçadas para Copa e Olimpíadas no Brasil serão tratadas em sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU

ONU-HRC_917125

Acontece nessa segunda, 4 de março, a 22ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça. A Relatora Especial da ONU sobre Direito à Moradia Adequada, a brasileira Raquel Rolnik, apresentará seu novo relatório, que tem como tema a segurança da posse como componente do direito à moradia. O estudo de Rolnik foi produzido em meio à crise mundial de insegurança da posse, que se manifesta de muitas maneiras e em contextos distintos: despejos forçados, deslocamentos causados por grandes projetos, catástrofes naturais e conflitos relacionados à terra.

Estará também presente na sessão Giselle Tanaka, da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (ANCOP), que fará uma breve exposição sobre as remoções forçadas no contexto da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Brasil. A intervenção da ANCOP – que será publicada na íntegra após o evento – pedirá que o Conselho diga ao governo brasileiro que pare imediatamente as remoções forçadas e, em parceria com as comunidades afetadas, crie um plano nacional de reparações e um protocolo que garanta os direitos humanos em caso de despejos causadas por grandes eventos e projetos.

— Veja a sessão ao vivo a partir das 5h (horário de Brasília): http://webtv.un.org/

campinho

As remoções forçadas têm sido o grande drama das famílias brasileiras desde o início das obras para a Copa do Mundo e às Olimpíadas. Estima-se que pelo menos 170 mil pessoas estejam passando por despejos relacionados aos eventos, o que corresponde a quase um em cada mil brasileiros. A ANCOP já submeteu denúncias para a Relatoria Especial e para a Revisão Periódica Universal da ONU em outras ocasiões, que serviram de base para a Resolução 13/2010 sobre megaeventos e direito à moradia, para duas cartas sobre o tema (em 2011 e 2012) da Relatoria Especial da ONU para o governo brasileiro, e gerou recomendações específicas do Conselho da ONU ao Brasil durante seu encontro em maio de 2012.

Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa

A ANCOP reúne movimentos sociais, organizações, representantes de comunidades, pesquisadores e outras entidades e pessoas críticas à forma como estão sendo feitas as transformações urbanas para a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Em dezembro de 2011, o grupo lançou o dossiê Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil, que reúne dados e informações sobre impactos de obras e transformações urbanas realizadas para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016. Os Comitês Populares estão nas 12 cidades-sede da Copa: Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. O site pode ser acessado no endereço http://portalpopulardacopa.org.br/.