A invisibilização da pobreza e dos pobres no Rio Olímpico

Por Renato Cosentino*Publicidade da Petrobrás apaga as favelas do Rio de Janeiro

Uma campanha publicitária internacional da Petrobrás exibiu em 2011 fotografias do Rio de Janeiro, de Nova York e de Paris a 6 mil metros de altura, em alusão aos 6 mil metros de profundidade de onde a empresa irá extrair óleo da camada pré-sal. Em destaque na imagem do Rio a praia de Copacabana e o Pão de Açúcar. Mais ao fundo a Zona Sul e Norte com o Cristo Redentor e o Maracanã. Faltaram, porém, as dezenas de favelas que compõem o cenário da região. Só no Rio uma parte da cidade foi apagada com recursos de edição de imagem.

Também em 2011 uma matéria do jornal O Globo noticiava que, a pedido da Prefeitura do Rio, o Google iria diminuir a presença das favelas no seu serviço Google Maps. O fato se concretizou em 2013, com a exclusão da palavra “favela” em praticamente todo o mapa, a hierarquização das informações com as favelas reduzidas ao mesmo destaque das ruas e o sumiço de algumas comunidades. Em 2010 já haviam sido erguidas barreiras acústicas, ou muros, nas duas principais vias expressas de ligação do aeroporto Internacional do Galeão ao Centro/Zona Sul e Barra da Tijuca. Uma pesquisa revelou a percepção dos moradores e dos motoristas que passam pelas vias: o muro está servindo muito mais como barreira visual, não como barreira acústica.

Mapa do Google em 2011 e 2013: favelas desaparecem

Esses fatos não são coincidências, e a tentativa de invisibilizar os pobres e a pobreza no momento em que o Rio de Janeiro se prepara para receber grandes eventos internacionais também não se limita ao plano simbólico. Para 30 mil moradores da cidade, a remoção virtual do mapa do Google está se tornando real. Segundo dados do Comitê Popular da Copa e Olimpíadas, cerca de 8 mil pessoas já foram removidas, e cinco comunidades não existem mais. O procedimento é semelhante em toda a cidade: envio de famílias para periferia com oferta precária de serviços básicos, como transporte, baixo valor de indenizações e forte pressão da especulação imobiliária.

Um outro braço dessa política se estabelece sob o discurso da ordem pública, que com a mesma truculência mistura diferentes questões como estacionamento irregular, população em situação de rua e trabalhadores informais. No bairro da Glória, onde foi instalada uma Unidade de Ordem Pública (UOP), há dezenas de guardas nas esquinas para que o famoso shopping chão, onde se podia encontrar antiguidades e quinquilharias sendo vendidas na calçada, não se instale mais. Os camelôs receberam autorização para trabalhar apenas em locais que ninguém passa e sumiram, assim como a população em situação de rua, que foi recolhida. O que acontece com essas pessoas? São levadas para abrigos longínquos, várias vezes. A estratégia é cansá-las para não voltar mais, como disse o subprefeito Bruno Ramos.

Morador em cima de sua casa destruída no Largo do Campinho, Zona Norte do Rio

A UOP é inspirada na UPP, as Unidades de Polícia Pacificadora que cada vez mais mostram sua face de controle militar do território ocupado e menos de segurança dos moradores. No dia 20 de março, Matheus Oliveira Casé, de 16 anos, foi morto pela polícia pacificadora em Manguinhos. No dia 4 de abril, Aliélson Nogueira, de 21 anos, também foi assassinado pela polícia pacificadora, agora no Jacarezinho. As edições online dos jornais falavam em tiroteio entre tráfico e polícia, mas Matheus foi morto ao receber um tiro de pistola de choque e Aliélson com uma bala na nuca enquanto comia um cachorro quente. Muitos jornais simplesmente ignoraram o fato destacando na semana a violência contra turistas estrangeiros e como isso gera um impacto negativo para a imagem da cidade.

A invisibilização que sai do plano simbólico para o real atinge um público bem específico, a juventude pobre e negra da cidade, principal alvo do encarceramento em massa em curso no Brasil. Em 1995, havia 148 mil presos no país, número que subiu para 473 mil em 2009. O Brasil possui hoje a terceira maior população carcerária do mundo e a prisão começa a virar negócio, com os presídios privados. Como tudo se justifica pela realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas, foi anunciada a compra de caveirões e a construção de novos presídios no Rio de Janeiro para a segurança dos grandes eventos. É a solução dada para essa parcela da população que não serve à cidade olímpica, que deve ficar bem longe, nos conjuntos habitacionais construídos fora da cidade, ou simplesmente sumir, presa ou executada pela ação da polícia.

Aliélson Nogueira, morto pela polícia pacificadora no Jacarezinho

Mas o brilho dos grandes eventos esportivos começa a esmorecer, o marketing não consegue sustentar uma imagem construída sobre base tão frágil, e aos poucos a cidade real se impõe. Para mudar a realidade do Rio de Janeiro não basta ostentar teleférico em favela enquanto falta saneamento básico nas casas fotografadas pelos turistas. Não basta acesso a bens de consumo se falta habitação. E não basta habitação sem cidade. Para construir uma outra realidade social há muito trabalho pela frente, e no momento em que há recursos disponíveis para de fato se iniciar uma mudança profunda na cidade, eles são drenados para obras de prioridade questionável ou para destruir a infraestrutura já existente, como no caso do Maracanã e da Perimetral, sem qualquer debate público. O Rio de Janeiro está no caminho errado, e talvez por isso queira tanto esconder a pobreza da cidade. Mas como disse uma moradora da Maré: “O que adianta esconder? A gente existe, não adianta esconder não”. Pois é, recado dado.

* Renato Cosentino é mestrando do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da UFRJ, trabalha na organização de direitos humanos Justiça Global e participa do Comitê Popular da Copa e Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Anúncios

12 respostas em “A invisibilização da pobreza e dos pobres no Rio Olímpico

  1. Não sou adivinha, mas poderia apostar que logo-logo irá surgir um resultado de (falsa) pesquisa de opinião no RJTV dizendo:

    1o lugar – Pezão
    2o lugar – Lindberg
    3o lugar – Garotinho

    Vão empurrar mais um novo falso dilema para o povo. Tenho a esperança de que, dessa vez, não deixaremos as forças dominantes nos fazerem de bobo.

    • Enquanto as pessoas continuarem a aceitar o que a Globo fala como verdade, este quadro não irá se modificar.

      • Estão todos Comprometidos com a pouca vergonha; Eu liguei para Jornais,emissoras de Radio e televisão,para denunciar a sacanagem que e as obras da trans carioca,ninguém da a minima.

  2. Por favor me ajude que sou perseguida pela polícia e outras pessoas grandes desde abril de 2008, eles me acusam de ladra e pedófila com falsos testemunhos pagos e provas falsas criadas. Eles fazem tudo escondido e cada dia fazem um julgamento conselho para me condenar. Eu jà fui em todos os orgãos de justiça e eles falam para nâo me atender. Eles bloqueiam meus emails e minhas redes sociais e nâo deixa que as pessoas me ajudem, eles envolvem todos a minha volta e pedem que ajude eles.

  3. Pingback: Comitê Popular Rio: Copa e Olimpíadas – A invisibilização da pobreza e dos pobres no Rio Olímpico | Blog do Prof. Jean Magno

  4. Uma pena o q estão fazendo com o Rio. Um crime o q estão fazendo com o povo do Rio e seu patrimônio. E o pior vai ser eles usarem tudo isso como propaganda política pós “grandes eventos internacionais”. Estamos entregues às traças. Traças do erário e do resto d dignidade q ainda temos. Seremos saqueados até quando ainda?
    Excelente texto, parabéns!

  5. Pingback: Forum Justiça » A invisibilização da pobreza e dos pobres no Rio Olímpico

  6. Pingback: Boletim Mandato Renato Cinco 8 | Vereador Renato Cinco – Nosso site está em construção, aguarde…

  7. Não Olimpiadas16.Discute-se muito o modo desastroso como vem sendo preparada a Copa14. E olha q contamos com forças d todo o Brasil, unidos contra essa opressão e desmandos, impostos à Sociedade em aceitar passivamente os megaeventos. Contudo Não se fala nas Olimpíadas. Este megaevento irá ocorrer apenas no Rio.. alguém já se deu conta? O mundo inteiro aqui no Rio? O q esperamos? Chegar vésperas, qdo será tarde demais? Existe uma REPRESENTAÇÃO [E UMA SÓ] encaminhada, logo após a escolha do RIOdeJANEIRO como sede das Olimpiadas/ 2016. Faz-se um apelo: retomem essa representação. Todos q puderem [quem é brasileiro e ama o Rio – não hesitem]. Trata-se de interesse público [logo está sempre em tempo]. Agora fala-se do desastre da Copa porque está próximo.. e se vai deixar o assunto das Olimpíadas para qdo chegar perto? Será tarde demais! Façamos agora para não nos arrependermos TARDIAMENTE. Eis os dados as coordenadas e o texto da Petição [foi rejeitada de plano, pois a promotora não vislumbrou haver problemas na cidade [é de chorar]”REPRESENTAÇÃO: PROC PROTOC 81404, 28/10/2009, CÓD PROV 13842/2009 (PJ3TCICAP – 3a. PROMOTORIA d JUSTIÇA d TUTELA COLETIVA d DEFESA d CIDADANIA// ref 6o. Centro d Apoio Operacional d Defesa da Cidadania, Consumidor e Proteção ao Meio Ambiente e Patrimônio, c/o segue: ‘Noticiante deseja informação sobre a ilegitimidade da escolha do Rio c/o sede das Olimpíadas/2016, pelas razões: O carioca q reside no Rio não foi consultado da CONVENIÊNCIA DESTE MEGA EVENTO. O FLUXO DE PESSOAS, DO MUNDO INTEIRO, ESTARÁ NUMA CIDADE JA desgastada DESFIGURADA POR SUCESSIVAS OBRAS E Q ACARRETARÁ Gde TRANSTORNO AOS SEUS HABITANTES. ALERTA q AS AUTORIDADES q DECIDIRAM q O RJ SERIA SEDE DAS OLIMPÍADAS, DEVERIAM TER FEITO AMPLO DEBATE d CONTRAS & prós e DADO a CONHECER aos MORADORES da CIDADE TODAS AS DIFICULDADES POR QUE PASSARIAM. DECLARA q OS HABITANTES FORAM, LITERALMENTE, EXCLUÍDOS DESTA CONSULTA. ACREDITA q DEVERIA TER OCORRIDO UM REFERENDO PRA AVALIAR O GRAU d ACEITABILIDADE. OS EFEITOS DESASTROSOS DESTA ESCOLHA JÁ ESTÃO OCORRENDO POR TODA A CIDADE REFÉM DO MEDO, PÂNICO, DESCASO, ABANDONO, FALTA d QUALIDADE d VIDA e do DESMATAMENTO q ESTÁ AVANÇANDO a OLHOS VISTOS d MINUTO A MINUTO. // Após sumária análise veio resultado de ‘indeferimento de plano’ e arquivado. O pedido FOI ÚNICO ENTRE MILHÕES de CARIOCAS. QUEM QUISER – E ACONSELHO – DEÊM UM PULINHO NO MIN PÚBLICO TENTEM REATIVAR com NOVOS PEDIDOS. Quem sabe o povo começando a se pronunciar, NÓS NOS LIVRAMOS das OLIMPIADAS (esta bomba relógio d efeito retardado).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s